Home Destaque OMS reforça a importância do uso de máscara em ambientes internos e externos

OMS reforça a importância do uso de máscara em ambientes internos e externos

por Redação

Em meio à pandemia, entidade reitera a adoção do equipamento de proteção individual como mecanismo preventivo de transmissão do novo coronavírus

Com base em novos dados científicos, a Organização Mundial de Saúde (OMS) atualizou as recomendações sobre o uso de máscara, que segue sendo uma das medidas mais efetivas para conter a disseminação da covid-19.  As alterações incluem a ampliação do uso de equipamento de proteção individual em instalações de saúde e orientações sobre a utilização de máscaras para o público em geral.

Segundo a OMS, todas as pessoas devem usar máscara, seja em ambientes internos ou externos, onde o distanciamento físico de pelo menos um metro não possa ser mantido. Quem tiver suspeita ou confirmação de ter contraído covid-19, ou que esteja esperando resultados de testes, deve usar uma máscara cirúrgica em situações que envolvam contato com outros indivíduos. A OMS sugere também que o público em geral não use máscaras cirúrgicas.

O documento recomenda ainda que as pessoas não usem máscaras durante as atividades físicas vigorosas porque estas “podem reduzir a capacidade de respirar confortavelmente”.  Neste caso, segundo o texto divulgado pela entidade “a medida preventiva mais importante é manter o distanciamento físico, de pelo menos um metro, e garantir uma boa ventilação durante os exercícios”, acompanhada sempre pela limpeza e desinfecção adequada do ambiente, incluindo o uso frequente do álcool em gel.

Entretanto, a OMS adverte que “as máscaras devem ser usadas como parte de um pacote abrangente de medidas que ajudam a reduzir a disseminação de Covid-19″, até porque, uma máscara sozinha, mesmo quando usada corretamente, é insuficiente para fornecer proteção adequada”, informa o documento.

“Desde o início da pandemia nós, infectologistas, reforçamos sobre a importância do uso de máscaras. Reforçamos que desempenham um papel importante para evitar a transmissibilidade”, explica Antonio Bandeira, diretor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais