Home Informações do Governo Ministério da Saúde aumenta recursos para fortalecer atendimento em comunidades e favelas

Ministério da Saúde aumenta recursos para fortalecer atendimento em comunidades e favelas

por Ministério da Saúde

ENFRENTAMENTO À COVID-19

Incentivo financeiro per capita contribui para atuação das equipes de saúde da Atenção Primária em áreas vulneráveis, estimulando o cadastro de pessoas no SUS e a identificação precoce de casos de síndrome gripal.

O Ministério da Saúde está reforçando o enfrentamento à Covid-19 nas comunidades e favelas com o incentivo financeiro federal adicional per capita. O impacto orçamentário inicial aumentou de R$ 14 milhões para R$ 21,3 milhões após mais municípios terem solicitado o auxílio, de acordo com a Portaria n° 2.488, publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (22/09).

O incentivo financeiro federal estimula a atualização do cadastro no Sistema Único de Saúde (SUS), no âmbito da Atenção Primária à Saúde, de pessoas que vivem em áreas em situação de vulnerabilidade. Dessa forma, além de subsidiar com informações para a busca ativa e o monitoramento remoto, a ação fortalece a atuação das equipes de saúde da Atenção Primária nessas localidades. A iniciativa tem caráter excepcional e temporária, considerando o cenário emergencial de saúde pública provocado pela pandemia do coronavírus.

Entre os objetivos, estão:

  • Custeio das medidas necessárias para que equipes de Saúde da Família (eSF) e equipes de Atenção Primária (eAP) tenham dados atualizados da população, facilitando a identificação precoce de casos de síndrome gripal;
  • Apoio à integração com os Centros Comunitários de Referência para Enfrentamento da Covid-19;
  • Realização de ações de mobilização social nas comunidades e favelas;
  • Incentivar a atualização de dados de cadastro de pessoas que vivem em áreas de comunidades e favelas, principalmente as que integram grupos de risco.

A normativa também ampliou de 746 para 2.029 o número de equipes da Saúde da Família e da Atenção Primária que atuam em comunidades e favelas e estão aptas a receber o incentivo federal.

O secretário de Atenção Primária à Saúde, Raphael Câmara, destaca que “esse investimento reforça o trabalho das gestões municipais para que ofertem atendimento diferenciado nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), garantindo o acesso seguro para quem mais precisa de auxílio. Com o recurso adicional, o acompanhamento de casos dessas comunidades será ampliado”.

Os recursos são transferidos do Fundo Nacional de Saúde aos municípios e ao Distrito Federal em parcela única e correspondem ao valor per capita de R$ 5,00 para cada pessoa com informação cadastral no Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica (SISAB). O programa foi instituído pela Portaria nº 1.444, de 29 de maio de 2020.

Confira os valores do impacto orçamentário do per capita por estado:

UF

N° Municípios

N° Equipes

N° Pop.

Valor

AC

1

7

4.685

R$         23.422,50

AL

6

13

15.885

R$         79.425,00

AM

8

125

428.930

R$    2.144.647,50

AP

3

27

36.518

R$       182.587,50

BA

2

4

3.501

R$         17.505,00

CE

5

138

395.190

R$    1.975.950,00

ES

2

32

33.026

R$       165.127,50

GO

3

12

6.758

R$         33.787,50

MG

10

483

583.856

R$    2.919.277,50

MS

1

3

1.485

R$           7.425,00

PA

4

24

54.192

R$       270.960,00

PB

2

20

33.624

R$       168.120,00

PE

4

40

170.936

R$       854.677,50

PR

3

136

188.955

R$       944.775,00

RJ

7

675

1.859.627

R$    9.298.132,50

RS

4

181

287.427

R$    1.437.135,00

SC

5

53

45.746

R$       228.727,50

SE

1

3

2.790

R$         13.950,00

SP

6

53

111.120

R$       555.600,00

Total

77

2.029

4.264.247

R$  21.321.232,50

POPULAÇÕES ESPECÍFICAS

O Ministério da Saúde também reforçou o atendimento de populações específicas no contexto da pandemia do coronavírus investindo mais de R$ 319 milhões na Atenção Primária do Sistema Único de Saúde (SUS), conforme Portaria nº 2.405, de 16 de setembro de 2020. O recurso financeiro é destinado a todos os municípios para ampliar os cuidados de indígenas não aldeados, populações dispersas, habitantes do campo, floresta e águas; ribeirinhos, comunidades assentadas; quilombolas; pessoas em situação de rua; povos ciganos; circenses; população privada de liberdade; e adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa.

Com o recurso adicional, o acolhimento, a identificação e os acompanhamentos de casos de síndrome gripal ou da Covid-19 dessas comunidades serão ampliados. O objetivo é apoiar as gestões municipais para que essas populações específicas sejam reconhecidas nos territórios de atuação da Atenção Primária, garantindo o acesso seguro nas Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Por Marina Pagno
Ministério da Saúde
(61) 3315-3580 / 2351 / 2745

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais