Home Grupos de Risco Campanha ‘Saúde Não Tem Hora’ alerta para importância de atendimento médico de infarto, AVC e diabetes durante a pandemia de covid-19

Campanha ‘Saúde Não Tem Hora’ alerta para importância de atendimento médico de infarto, AVC e diabetes durante a pandemia de covid-19

por Redação

Sinais de alerta dessas doenças não devem ser ignorados; campanha tem como embaixadores os médicos Drauzio Varella, Ana Escobar e Roberto Kalil

A pandemia de covid-19 traz à tona uma preocupante realidade constatada por médicos em todo o país: a queda no número de atendimentos de emergência de casos de infarto e AVC em 50% e 40%, respectivamente, além de baixa procura nas consultas de rotina para pacientes com diabetes, doença crônica que é fator de risco para infarto e AVC.1-3

Com o objetivo de alertar sobre a necessidade de procurar atendimento médico aos sinais de alerta dessas doenças mesmo em tempos de quarentena, a campanha Saúde Não Tem Hora une a Sociedade Brasileira de Cardiologia, a Sociedade Brasileira de Diabetes, a Associação Brasileira de Medicina de Emergência e a Rede Brasil AVC, com o apoio da Boehringer Ingelheim.

Com um trio de embaixadores formado pelos médicos Drauzio Varella, Ana Escobar e Roberto Kalil, Saúde Não Tem Hora propõe orientar a população em geral e, em especial, pacientes com diabetes e doenças cardiovasculares, sobre quando procurar auxílio médico em tempos de pandemia.

Principais causas de morte no Brasil, o AVC e infarto precisam de intervenção médica imediata para minimizar o risco de morte e sequelas.4 Esses pacientes são, justamente, os que têm risco aumentado de desenvolver as formas mais graves da covid-19, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia. 5

Segundo o cardiologista Álvaro Avezum, diretor do Centro Internacional de Pesquisa do Hospital Alemão Oswaldo Cruz e professor livre-docente da Universidade de São Paulo (USP), a redução nos atendimentos de emergência de casos como infarto foi observada após estudos em países como Itália, Espanha, Inglaterra e Estados Unidos. “Possivelmente, isto também tenha ocorrido e esteja ocorrendo no Brasil. Há o receio da contaminação por parte da população quando precisa ir às unidades de emergência”, diz Avezum.

Dados do Ministério da Saúde reforçam a necessidade dessa conscientização de que Saúde Não Tem Hora: entre os casos fatais de covid-19 no Brasil, 40% apresentavam cardiopatia e 30% tinham algum tipo de diabetes.6

Estudos internacionais recentes mostram ainda a correlação da infecção mais grave pelo novo coronavírus em pessoas com diabetes.7 Doenças concomitantes, como as do coração, também são um sinal de alerta, não importa a idade. 8-10

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o infarto é uma das principais causas de morte no mundo, responsável por aproximadamente 42% dos óbitos decorrentes de doenças cardiovasculares. E o socorro imediato salva vidas, pontua Avezum. “Pacientes que são admitidos no têm menos risco de óbito quando o tratamento ideal é realizado”, detalha o cardiologista.

O AVC é outra patologia que tem tratamento, se atendido rapidamente. “O rápido atendimento evita o agravamento do AVC e pode salvar vidas”, afirma a neurologista Sheila Martins, presidente da Rede Brasil AVC.

Somente neste ano, a Rede Brasil AVC estima uma redução de até 40% no número de atendimentos na emergência durante a pandemia. “Levantamentos feitos nos hospitais mostraram essa redução do número de casos de AVC chegando às emergências, o que não significa que caíram os números de AVC, mas que esses pacientes estão ficando em casa com medo de pegar coronavírus. Isso é um grave problema, porque pode gerar sequelas para a vida toda”, alerta Sheila Martins.

Além da necessidade de um atendimento de urgência, é importante que após um AVC o paciente faça um acompanhamento com um neurologista para buscar a causa e evitar um novo episódio, além de tratar os fatores de risco associados ao desenvolvimento desta doença. 11

No caso do diabetes, além dos cuidados necessários com a doença, a covid-19 passou a ser mais uma preocupação. Isso acontece porque os pacientes com diabetes são do grupo de risco.  “Nesse momento de pandemia, o mais importante é não deixar de controlar a glicemia, pois, se elevada, pode aumentar o risco de complicação em relação à covid-19. Pacientes devem procurar seus médicos para exames mesmo se for de rotina. Se as prescrições estiverem vencidas e exames não estiverem em dia, os pacientes devem procurar seus médicos ou serviços de referência”, orienta a endocrinologista Denise Franco.

Há ainda a necessidade de suporte para os pacientes, conta Vanessa Pirolo, coordenadora de Advocacy da ADJ Diabetes Brasil. A entidade recebeu demandas desde falta de receitas para retirada de medicamentos no SUS e casos de descontrole de glicemia, aliados a quadros de estresse. “ADJ ofereceu suporte para quem nos acionou, com equipe médica e psicológica. Nos deparamos ainda com quadros de descontrole de glicemia, estresse e ansiedade na quarentena”, conta Vanessa.

Dicas para atendimento médico com segurança

Em hospitais e clínicas, é importante que os pacientes fiquem atentos às medidas preventivas, recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS).12 A higiene das mãos deve ser feita com álcool 70% ou com água e sabão. Fundamental também o uso de máscaras cirúrgicas ou de pano (com pelo menos duas camadas de pano, como algodão, tricoline ou TNT), que devem ser mantidas desde o percurso à emergência até o retorno para casa. Dentro da unidade, mantenha distância de pelo menos um metro entre outras pessoas. Nos consultórios médicos, evitar aperto de mãos e abraços.13

Ao chegar em um atendimento de urgência, importante deixar claro qual a condição de saúde ao profissional que fizer o primeiro atendimento. A comunicação é essencial para a prevenção de doenças em uma instituição de saúde. Muitos serviços estão oferecendo telemedicina, uma ferramenta efetiva para reduzir as distâncias entre os pacientes e o médico.

Referências

  1. Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista; página 4 Disponível em: https://www.sbhci.org/post/jornal-da-sbhci-ano-xxiii-n-2%C2%BA-78-abr-mai-jun-de-2020-issn-1984-9176  (acessado em 02/07/2020)
  2. Diegoli H, Magalhães PSC, Martins SCO, et al. Decrease in Hospital Admissions for Transient Ischemic Attack, Mild, and Moderate Stroke During the COVID-19 Era [published online ahead of print, 2020 Jun 12]. Stroke. 2020;STROKEAHA120030481
  3. Barone, MTU et al. Covid-19 impact on people with diabetes in South and Central América (SACA region). Diabetes Research and Clinical Practice, vol 166, aug 2020, 108301. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.diabres.2020.108301
  4. American College of Cardiology. COVID-19 Clinical Guidance. Disponível em: https://www.acc.org//~/media/Non-Clinical/Files-PDFs-Excel-MS-Word-etc/2020/02/S20028-ACC-Clinical-Bulletin-Coronavirus.pdf (acessado em 02/07/2020).
  5. Sociedade Brasileira de Cardiiologia. Disponível em: http://www.cardiol.br/sbcinforma/2020/20200313-comunicado-coronavirus.html (acessado em 02/07/2020).
  6. Angelidi AM, Belanger MJ, Mantzoros CS. COVID-19 and diabetes mellitus: What we know, how our patients should be treated now, and what should happen next. Metabolism. 2020 Apr 19:154245. doi: 10.1016/j.metabol.2020.154245
  7. Ian Huang, Michael Anthonius Lim, Raymond Pranata. Diabetes mellitus is associated with increased mortality and severity of disease in COVID-19 pneumonia – A systematic review, meta-analysis, and meta-regression. Diabetes & Metabolic Syndrome: Clinical Research & Reviews. Volume 14, Issue 4, July–August 2020, Pages 395-403.
  8. Risk factors of critical & mortal COVID-19 cases: A systematic literature review and meta-analysis. J Infect. 2020 Apr 23. pii: S0163- 4453(20)30234-6. doi: 10.1016/j.jinf.2020.04.021. [Epub ahead of print]
  9. Sign and Symptoms of Stroke. Disponível em: https://www.stroke.org/understand-stroke/recognizing-stroke/signs-and-symptoms-stroke (acessado em 02/05/2017).
  10. Organização Pan-Americana da Saúde, Ministério da Saúde. Folha informativa – COVID-19 (doença causada pelo novo coronavírus) [Internet]. Acessado em: 15 jun 2020. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:covid19&Itemid=875>.
  11. Ministério da Saúde. Tem dúvidas sobre o coronavírus? O Ministério da Saúde te responde! [Internet]. Acessado em: 10 jun 2020. Disponível em: https://www.saude.gov.br/images/pdf/2020/April/07/Cartilha-Coronavirus-Informacoes-.pdf
  12. Sociedade Brasileira de Diabetes. Disponível em: https://www.diabetes.org.br/covid-19/notas-de-esclarecimentos-da-sociedade-brasileira-de-diabetes-sobre-o-coronavirus-covid-19/

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais