Home Informações do Governo Covid-19: Região Norte começa a apresentar queda sustentável da doença

Covid-19: Região Norte começa a apresentar queda sustentável da doença

por Ministério da Saúde

CORONAVÍRUS

Também houve queda no Nordeste, já nas regiões Centro-Oeste e Sul os números continuam em crescimento

A região Norte do país começa a apresentar queda sustentável no número de casos e mortes pela Covid-19. A região foi a primeira do país a registrar aumento de casos no início da pandemia. Os dados estão publicados na nova edição do Boletim Epidemiológico sobre a Covid-19 no Brasil, apresentado, nesta quarta-feira (15), em coletiva de imprensa, em Brasília (DF). Entre a Semana Epidemiológica 27, com dados até 4 de julho, e a Semana Epidemiológica 28, até 11 de julho, houve redução de 9% no número de casos novos de Covid-19. A média diária registrada foi de 4.575 casos novos. Nos estados, as reduções foram de 23% no Amapá, 6% no Pará, 4% em Rondônia e 46% em Roraima.

Enquanto isso, de acordo com o boletim, os casos e óbitos no Centro-Oeste e Sul permanecem em crescimento, já que foram as regiões que começaram a apresentar maior registro de casos recentemente. No Sul, o aumento foi de 8%, com uma média de 3.918 casos novos, enquanto no Centro-Oeste, o aumento foi de 6% no número de casos com média diária de 4.363 casos novos, sendo que no Distrito Federal é onde se concentra o maior número de mortes pela doença.

Para o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Correia de Medeiros, a explicação para a queda de casos em determinada região e aumento em outra, se deve a dimensão territorial do Brasil. “Nós estamos vivendo e aprendendo a cada semana o comportamento dessa doença”, disse. “Nosso pais tem dimensão continental, temos diferenças sazonais bastante importantes que afetam, não apenas a Covid-19, mas outras doenças que se influenciam por essas diferenças”, acrescentou o secretário.

Nas regiões onde houve aumento de casos, Arnaldo Correia disse que a estatística se deve à interiorização da doença e também à forma com que os testes passaram a ser aplicados. “Nas últimas três semanas aumentamos a testagem no pais. Agora também estamos testando casos leves, no início da doença. Lá no começo, era testado basicamente pacientes que estavam internados e que já estavam com a doença, casos mais graves. Agora que estamos testando de maneira mais intensa você tende a encontrar mais casos, porém não tão graves”, destacou.

PROFISSIONAIS DE SAÚDE

O novo boletim desta quarta-feira (15) também trouxe o balanço de infecções por coronavírus em profissionais de saúde que estão atuando, desde o início da pandemia, na assistência às pessoas com Covid-19. Até o dia 11 de julho, 866.068 casos de Síndrome Gripal (SG) suspeitos de Covid-19 em profissionais de saúde foram registrados no e-SUS Notifica. Destes, 180.028 (20,8%) foram confirmados para Covid-19.

As profissões que mais registraram casos da doença foram os técnicos/auxiliares de enfermagem (62.633), seguido dos enfermeiros (26.555), médicos (19.858), agentes comunitários de saúde (8.362) e recepcionistas de unidades de saúde (7.856).

Em relação aos casos e óbitos em profissionais de saúde por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), ou seja, pacientes internados, até o dia 11 de julho, 1.373 casos foram registrados no SIVEP-Gripe. Destes, 788 (57,4%) foram confirmados para Covid-19 e 405 (29,5%) encontram-se em investigação. As profissões que mais registraram casos de SRAG foram os técnicos/auxiliar de enfermagem (471), médico (271) e enfermeiro (267).

De acordo com o secretário em Vigilância em Saúde, Arnaldo Correia de Medeiros, o Ministério tem dado atenção especial a esses profissionais, como o fornecimento de Equipamentos de Proteção Invisual (EPI), por exemplo. Para ele, o sucesso na recuperação dos pacientes se deve principalmente a esses profissionais. “O Brasil dispara na frente com mais de 1 milhão e 250 mil recuperados”, apontou. “ Esse número reflete, e aí vai, o nosso reconhecimento de todos os profissionais de saúde, que têm trabalhado duro para salvar vidas”, ressaltou Arnaldo Correia.

“E se nós estamos recuperando a nossa população, é por que, sim, esse Ministério tem feito nos últimos meses, um esforço imenso para dar aos profissionais da ponta capacidade de manejo clínico dos seus pacientes. Acho que o país é um grande exemplo de combate da doença no mundo. Nós temos uma experiência que pode mostrar ao mundo, como a serviço público de saúde pode salvar vidas”, concluiu.

Por Adolfo Brito, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa

(61) 3315-2535/2351

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais