Home Luis Fernando Correia O Coronavírus está no ar?

O Coronavírus está no ar?

por Redação

OMS e um grupo de cientistas independentes debatem sobre a evidência de que partículas do vírus possam flutuar em ambientes fechados e infectar pessoas

Por Luis Fernando Correia, especial para o Por Dentro do Coronavírus

Numa carta aberta à OMS, 239 cientistas de 32 países descrevem evidências que apontam para o fato de que partículas menores do novo coronavírus possam infectar pessoas e, por isso, pedem que a agência revise suas recomendações. Os cientistas planejam publicar a carta em uma revista científica na próxima semana.

Estes pesquisadores vêm dizendo que o coronavírus permanece no ar em ambientes fechados. E, se a transmissão aérea for um fator realmente significativo na pandemia, especialmente em locais com pouca ventilação, as consequências serão desastrosas. Máscaras podem ser necessárias em ambientes fechados, mesmo com o distanciamento. E profissionais de saúde deverão sempre usar máscaras N95, enquanto cuidam de pacientes com coronavírus, pois elas filtram até as menores gotículas respiratórias.

E as recomendações não param por aí. Os sistemas de ventilação de escolas, asilos, residências e empresas podem precisar de filtros ainda mais poderosos. As já famosas luzes ultravioletas, capazes de matar partículas virais em pequenas gotículas, também deverão fazer parte do dia a dia da população.

Até o momento, a OMS afirma que o coronavírus se espalha principalmente por grandes gotículas respiratórias que, uma vez expelidas por infectados, através de tosse e espirro, caem rapidamente no chão. Mesmo na atualização mais recente sobre o coronavírus, de 29 de junho, a OMS avaliou que transmissão aérea do vírus só é possível após procedimentos médicos que produzem aerossóis ou gotículas menores que 5 mícrons (um mícron é igual a um milionésimo de metro).

A orientação da OMS reforça a importância da lavagem das mãos como estratégia de prevenção primária, embora haja poucas evidências de transmissão do vírus a partir de superfícies. A discussão começou no início de abril, quando um grupo de 36 especialistas em qualidade do ar e aerossóis pediu que a OMS considerasse a crescente evidência de transmissão aérea do coronavírus. Os pesquisadores da agência se reuniram e concluiram que o mais importante era focar na higiene pessoal, como na lavagem das mãos, do que enfatizar a questão dos aerossóis.

Segundo o grupo de cientistas vários acontecimentos indicam que a transmissão do vírus pode ocorrer pelo ar, principalmente em ambientes fechados e com pouca ventilação. Eles afirmam que a OMS faz uma distinção artificial entre pequenos aerossóis e gotículas maiores, mesmo que as pessoas infectadas produzam os dois. Ainda segundo representantes desse grupo, já se sabe que tossir e falar geram aerossóis, e por isso é importante prestar atenção sobre a possibilidade de transmissão aérea.

A questão que faz com que a OMS mantenha sua posição é que ainda não foi possível cultivar o coronavírus a partir de aerossóis no laboratório. O que o grupo independente alega é que o fato de não haver estudo que mostre que o vírus pode ser transmitido por aerossol, não significa que não sejam infeciosos, porque a maioria das amostras dos experimentos da OMS são de salas de hospitais com bom fluxo de ar, que diluiria os níveis virais. Já em edifícios a taxa de troca de ar é geralmente menor, o que permitiria que o vírus ficasse no ar, representando um risco maior. Muitos especialistas afirmam que a OMS deve adotar o “princípio da precaução”, isto é, mesmo sem evidências definitivas, a agência deve assumir o pior do vírus e recomendar a melhor proteção possível.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais