Home Informações do Governo Ministério da Saúde reforça a importância da detecção da Doença Falciforme

Ministério da Saúde reforça a importância da detecção da Doença Falciforme

por Ministério da Saúde

DIA MUNDIAL

As manifestações clínicas da doença ocorrem a partir do primeiro ano de vida e as características são complexas. Afeta quase todos os órgãos com sintomas como  dor crônica, infecções e icterícia

No Dia Mundial de Conscientização sobre a Doença Falciforme celebrada em 19 de junho, o Ministério da Saúde reforça a importância de detecção da doença. O primeiro passo do conjunto de cuidados é o diagnóstico precoce, feito por meio da triagem neonatal (Teste do Pezinho). No caso das pessoas que não foram diagnosticadas com o Teste do Pezinho, o diagnóstico poderá ser feito a partir do quarto mês de vida, por meio do exame de eletroforese de hemoglobina que está inserido na rotina do pré-natal e é garantido a todas as gestantes e parceiros, pela Rede Cegonha, no Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo o Programa Nacional de Triagem Neonatal do Ministério da Saúde (PNTN/MS), em 2019, foram diagnosticados 1.214 casos de doença falciforme e 61.021 com Hemoglobina S (traço falciforme). Estudos mostram que, caso não recebam o devido tratamento em tempo adequado, apenas 20% destas crianças atingirão os cinco anos de idade.

A Doença Falciforme é uma doença genética e hereditária, resultante de uma mutação genética que provoca alteração nas hemácias, que em condições normais se apresentam de forma arredondada e que na Doença Falciforme perdem a elasticidade, enrijecem e adquirem a forma que lembra uma foice, isso dificulta a circulação e a chegada do oxigênio nos tecidos, desencadeando uma série de sinais e sintomas como dor crônica, infecções, icterícia, dentre outros.

Cuidado da Atenção em Doença Falciforme

Com o objetivo de mudar a história natural da Doença Falciforme no Brasil foi instituída, em 16 de agosto de 2005, no âmbito do SUS, a Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doença Falciforme e outras Hemoglobinopatias, hoje consolidada na Portaria nº 2/2017 GM/MS.

O Ministério da Saúde tem implementado estratégias visando melhorias nas áreas de hemoterapia, fomento à implantação e implementação da Linha de Cuidado da Atenção em Doença Falciforme, capacitação de profissionais e cooperações internacionais.

Atualmente, o SUS disponibiliza a medicação necessária para minimizar as complicações da Doença Falsiforme e melhorar a qualidade de vida das pessoas, tais como: ácido fólico, analgésicos, anti-inflamatórios, antibióticos e hidroxiuréia, que é um medicamento que impacta na melhora da qualidade de vida dos pacientes com Doença Falciforme, reduzindo o número de crises vaso-oclusivas, hospitalizações, ocorrência de Síndrome Toráxica Aguda (STA), eventos neurológicos agudos e da taxa de mortalidade.

Além disso, o Ministério da Saúde compra e distribui, para todos os Estados e o Distrito Federal, o medicamento Fenoximetilpenicilina, que é um antibiótico de uso contínuo, por via oral, utilizado para prevenir infecções comuns nas crianças menores de cinco anos.

Desde 2015, o SUS passou a realizar o transplante de medula óssea para pessoas com doença falciforme, que é um tratamento curativo para a Doença Falciforme.

Para divulgar mais informações sobre a Doença Falciforme, o Ministério da Saúde disponibilizou o curso EAD “Doença falciforme – conhecer para cuidar”, elaborado em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina. Oferecido gratuitamente, o curso faz parte das ações da pasta para educação permanente em Doença Falciforme.

Por Lídia Maia, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa

(61) 3315-3580 /2745/2351

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais