Home Últimas Notícias Quarentena pode aumentar as crises de cefaleia

Quarentena pode aumentar as crises de cefaleia

por Redação

Neurologista alerta que mudança de rotina com excesso de atividades em casa pode ser um “gatilho” para os episódios de dor de cabeça

A quarentena é um fator desencadeante para as crises de cefaleia. O Por Dentro do Coronavírus consultou a neurologista Célia Roesler, membro titular da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), para entender como a como a pandemia pode afetar as pessoas que sofre com dores de cabeça frequentes.

“A cefaleia pode ser um sintoma de alguma infecção viral, inclusive do COVID 19. Por isso, se ela for intensa e persistente é importante procurar ajuda, principalmente quando acompanhada de febre, cansaço intenso, diminuição ou perda de olfato, entre outros”, explica a neurologista da ABN.

A rotina caseira que une as tarefas do lar ao trabalho também pode elevar as crises. “Para quem sofre de enxaqueca, a mudança de rotina é um gatilho muito importante. O trabalho em casa aumenta a probabilidade de o indivíduo não se alimentar de maneira correta, ingerir mais doces e carboidratos, o que pode contribuir para o surgimento das dores de cabeça”, explica Célia.

Outras situações relacionadas ao cenário de incerteza imposto pelo novo coronavírus também impactam na piora do quadro. “A ansiedade gerada pela pandemia, a insegurança em relação ao trabalho, a perda de renda e, entre outros fatores, o medo de doenças geram ansiedade, muitas vezes depressão, fazendo com que o indivíduo coma compulsivamente, beba exageradamente, sem conseguir ter um sono reparador, o que também leva a uma piora das dores de cabeça”, destaca Célia Roesler.

De acordo com a neurologista, o ideal é adotar uma rotina de horário de sono e dieta equilibrada. Além disso, para quem tem dores de cabeça recorrentes, a recomendação é diminuir a ingestão de álcool e realizar exercícios como yoga, meditação e alongamentos, mesmo que em casa. Para melhor orientação, no caso da cefaleia, o ideal é consultar um especialista – médico neurologista – que poderá definir a melhor conduta de tratamento.

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais