Home Últimas Notícias Estudo relaciona COVID-19 às questões sociais

Estudo relaciona COVID-19 às questões sociais

por Redação

Novo trabalho da PUC-RJ aponta número de mortes bem maior entre pardos, negros e sem escolaridade no Brasil

O novo coronavírus está evidenciando a desigualdade social existente no Brasil. Um estudo elaborado pelo Núcleo de Operações e Inteligência em Saúde (NOIS), da PUC-Rio, avaliou 30 mil casos de internações pelo vírus e apontou que os riscos reais de um paciente pardo ou negro (principalmente se for analfabeto) ir a óbito por causa da COVID-19 no Brasil é 3,8 vezes maior que um branco ou com nível superior.

O trabalho comparativo feito pelos pesquisadores mostrou que, entre os internados por causa do vírus, 62,07% dos brancos se recuperaram, enquanto 37,93% morreram. Na população formada por negros e pardos, a situação foi diferente: 54,78% de mortes e 45,22% de recuperados. De acordo com a pesquisa, o grau de escolaridade também pode ser um indicativo. Enquanto os indivíduos com curso superior representam 22% das mortes causadas pelo novo coronavírus, esse número sobe para 71,31% entre as pessoas sem escolaridade.

De acordo com os pesquisadores do NOIS, o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) também é uma variável importante dentro do cenário da COVID-19.

“A pandemia expressa uma questão social muito importante, pois a falta de acesso à saúde básica e as condições sanitárias também são associados a mortes, além do desnível socioeconômico”, diz o infectologista Paulo Santos, da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais