Home Informações do Governo Ministério da Saúde inaugura primeira ala hospitalar para indígenas no Amazonas

Ministério da Saúde inaugura primeira ala hospitalar para indígenas no Amazonas

por Ministério da Saúde

COVID-19

O serviço contará com 53 leitos, sendo 33 clínicos, 15 de UTI e 5 leitos de cuidado intermediário. A ala será destinada aos pacientes indígenas com COVID-19

Foto: Divulgação / ASCOM MS

O Governo do Brasil em parceria com o estado do Amazonas inaugurou, nesta terça-feira (26), uma ala hospitalar destinada à indígenas com COVID-19. Trata-se de uma iniciativa inédita no país que viabilizará cuidados adequados para as comunidades indígenas do Amazonas. A estrutura foi instalada no Hospital Nilton Lins, em Manaus (AM). A inauguração contou com a presença do ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, o Governador do estado do Amazonas, Wilson Lima e o secretário Especial da Saúde Indígena, Robson Santos da Silva.

A nova ala tem 53 leitos, sendo 33 leitos clínicos, 15 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) e 5 Unidades de Cuidados Intermediários (UCI), com possibilidade de expansão. O Hospital Nilton Lins foi inaugurado em 18 de abril com 95 leitos para tratamentos de pacientes com COVID-19.

“Essa ação é o resultado de um trabalho em equipe. É o primeiro serviço voltado à população indígena com COVID-19. Tenho certeza que esta iniciativa será um marco na nossa virada no combate à COVID-19. O hospital está preparado para receber pacientes indígenas com espaço adequado e capacidade de atendimento, sempre respeitando a cultura dos povos indígenas”, reforçou o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello.

O secretário da SESAI, Robson Santos da Silva, destacou que a iniciativa é fruto de ação integrada entre Governo Federal, estado do Amazonas e prefeitura de Manaus. “Nós unimos esforços com o objetivo exclusivo de salvar vidas durante esta pandemia. Até o momento, já temos notícias de mais de 300 indígenas recuperados da COVID-19 e com este novo serviço será possível salvar muito mais”, afirmou o secretário.

Robson também alertou para que a população não busque diretamente o serviço hospitalar. “É muito importante que a pessoa com sintomas da COVID-19 procure antes um serviço de portas abertas como postos de saúde ou Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e, caso seja necessário, esses serviços farão o encaminhamento do paciente ao hospital”, esclareceu o secretário, que também reforçou que o Ministério da Saúde, por meio da SESAI, está buscando apoiar da melhor forma os estados e municípios na assistência à população indígena.

A nova ala do Hospital Nilton Lins também terá posto de enfermagem, área de higienização, banheiros, recepção e área administrativa. Um espaço de espiritualização será destinado aos pajés – líderes espirituais dos povos indígenas – e outra área será destinada para armação de redes nas enfermarias clínicas, respeitando a cultura de cada etnia.

As transferências para o hospital serão realizadas por meio da Central de Regulação do Amazonas. Os pacientes que necessitarem de remoção serão incluídos em uma fila composta apenas por indígenas e serão encaminhados com base na avaliação clínica de médicos e enfermeiros da Central.

REFORÇO NO AMAZONAS

O Governo Federal já enviou mais de R$ 213 milhões ao estado do Amazonas para o enfrentamento da COVID-19. Sendo R$ 78 milhões para o Fundo Estadual de Saúde, R$ 2,6 milhões para o Hospital Getúlio Vargas e R$ 132,4 milhões para os municípios. Também já foram entregues mais de 1,5 milhão de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), 232 mil testes para COVID-19, 176 mil testes rápidos, 110 respiradores, 1,3 milhão de vacinas contra gripe e 438 mil caixas de medicamentos. O Amazonas é o estado brasileiro com o maior número de indígenas. De acordo com o IBGE, o estado possui cerca de 183 mil indígenas. Desses, 70% vivem em aldeias.

O Ministério da Saúde, por meio da SESAI, entregou, em 17 e 18 de maio, duas toneladas de equipamentos para os Hospitais de Guarnição dos municípios de Tabatinga e São Gabriel da Cachoeira (AM) para reforço no combate à COVID-19. Foram entregues respiradores desfibriladores, insumos, medicamentos e EPIs.

O Ministério da Defesa também deslocou, temporariamente, onze profissionais de saúde do Hospital Militar de Área de Brasília para reforçar o atendimento à população no Hospital de São Gabriel da Cachoeira (AM). São duas médicas, uma fisioterapeuta, duas enfermeiras e seis técnicas de enfermagem.

AÇÕES PARA COMBATE À COVID-19 NA POPULAÇÃO INDÍGENA

Desde janeiro deste ano o Ministério da Saúde vem implementando diversas ações de informação, prevenção e combate ao Coronavírus (COVID-19) para orientar as comunidades indígenas, gestores e colaboradores em todo o Brasil. Com a atual expectativa do crescimento de infecções pelo COVID-19 no Brasil, os esforços do Ministério da Saúde, por meio da SESAI, juntamente com os 34 Distritos Sanitários Especiais (DSEI), têm se redobrado para garantir a saúde dos povos indígenas.

A detecção e correção de possíveis problemas e a realização de novas ações, baseadas nos protocolos estabelecidos pelo Ministério da Saúde para o combate ao Coronavírus, respeitando as especificidades dos povos indígenas, têm sido frequentes. O Governo Federal permanece trabalhando para atender aos mais de 800 mil indígenas aldeados e presentes em todo o país.

Para isso, vem orientando atenção máxima às equipes multidisciplinares de saúde indígena e demais profissionais que atuam para o cumprimento do Plano de Contingência Nacional para Infecção Humana pelo novo Coronavírus em povos indígenas.


Assista, na íntegra, à coletiva com o anúncio da inauguração – 26.05.2020

Por Nicole Beraldo e Nucom SESAI
Atendimento à imprensa
(61) 3315-2745 / 2351

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais