Home Informações do Governo Quatro em cada 10 brasileiros pratica atividades físicas regularmente

Quatro em cada 10 brasileiros pratica atividades físicas regularmente

por Ministério da Saúde

VIGITEL 2019

O número de pessoas que afirmou ter postura ativa é de 39%, segundo a pesquisa Vigitel 2019, que também registra aumento no consumo de frutas e hortaliças pelos brasileiros

Na última década o Brasil registrou aumento de 29% dos brasileiros que praticam atividade física, como caminhada, natação e dança, regularmente, ou seja, mantem por semana mais de 150 minutos de atividade moderada ou por 75 minutos atividade vigorosa. Assim, a prevalência de adultos ativos passou de 30,3% em 2009 para 39,0% no ano passado. Os homens (46,7%) são mais ativos do que as mulheres (32,4%). Os dados estão no estudo sobre Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) Brasil 2019, divulgado na última semana, pelo Ministério da Saúde.

O Vigitel 2019 apontou que a prática de atividade física diminui com a idade: 49,4% na faixa de 18 a 24 anos e 24,4% nos adultos com 65 anos ou mais; e aumenta com a escolaridade, passando de 25,8% nos indivíduos com até 8 anos de estudo para 50,0% entre aqueles com 12 anos ou mais de estudo.

Sobre a prevalência de adultos inativos, ou seja, que não praticaram qualquer atividade física no tempo livre nos últimos três meses, em 2006, era de 15,9%, passando para 13,9%, em 2019. O  percentual de inativos aumenta com a idade, sendo de 12,9% na faixa de 18 a 24 anos e 31,8% nos adultos com 65 anos e mais; e diminuiu com a escolaridade, passando de 18,0% nos indivíduos com até 8 anos de estudo para 11,7% para aqueles com 12 anos ou mais de estudo.

O Vigitel é uma pesquisa telefônica realizada com maiores de 18 anos, nas 26 capitais e no Distrito Federal, sobre diversos assuntos relacionados à saúde. O objetivo é conhecer a situação de saúde da população para orientar ações e programas que reduzam a ocorrência e a gravidade de doenças, melhorando a saúde da população.

CONSUMO DE ALIMENTOS

No ano de 2019, o Ministério da Saúde coletou dados de dois novos indicadores, de acordo com recomendação do Guia Alimentar para a População Brasileira: consumo de alimentos minimamente ou não processados e consumo de alimentos ultraprocessados.

O consumo recomendado de frutas e hortaliças (5 porções de frutas e hortaliças em pelo menos 5 dias na semana) avançou no país, passando de 20,0% em 2008 para 22,9% em 2019. No ano passado, o consumo foi maior entre mulheres (26,8%) do que entre os homens (18,4%). Ainda, o consumo aumentou com a idade: 19,0% na faixa de 18 a 24 anos e 26,6% nos adultos com 65 anos e mais; e com a escolaridade, passando de 19,0% nos indivíduos com até 8 anos de estudo para 29,5% para aqueles com 12 anos ou mais de estudo.

Em relação ao consumo de alimentos não ou minimamente processados (Ex.: verduras, legumes e frutas (frescas ou secas); tubérculos (batata, mandioca); arroz; milho (em grão ou na espiga); cereais; farinhas; feijão e outras leguminosas; sucos de frutas sem açúcar ou outras substâncias), a prevalência de adultos que consumiram cinco ou mais grupos de alimentos dessa categoria no dia anterior à data da pesquisa foi de 29,8%, sendo maior entre as mulheres (32,3%) que entre os homens (26,9%). O consumo aumentou com a idade, 22,9% na faixa de 18 a 24 anos e 32,6% nos adultos com 65 anos e mais; e com a escolaridade, passando de 24,2% nos indivíduos com até 8 anos de estudo para 36,7% para aqueles com 12 anos ou mais de estudo.

Já a prevalência de adultos que consumiram cinco ou mais grupos de alimentos ultraprocessados (Ex.: biscoitos, sorvetes e guloseimas, bolos, cereais matinais, barras de cereais, sopas, macarrão e temperos instantâneos, salgadinhos de pacote, refrescos e refrigerantes) no dia anterior à data da pesquisa foi de 18,2%, sendo maior entre os homens (21,8%) que entre as mulheres (15,1%). O consumo diminuiu com a idade, 29,3% na faixa de 18 a 24 anos e 8,0% nos adultos com 65 anos e mais.

METOLOGIA DE PESQUISA

Em 2019 foram realizadas 52.443 entrevistas com adultos residentes nas capitais e no Distrito Federal, com duração média de, aproximadamente, 12 minutos, variando entre 4 e 58 minutos. Foram avaliados os indicadores de hipertensão arterial e diabetes, excesso de peso e obesidade, consumo abusivo de álcool, fumantes, consumo alimentar e atividade física.

Foram entrevistadas pessoas com 18 anos ou mais, residentes em domicílios com, pelo menos, uma linha de telefone fixo. Anualmente, estima-se um número amostral mínimo de duas mil entrevistas telefônicas para cada capital e o Distrito Federal e foram realizadas entre os meses de janeiro e dezembro de 2019.

Para mais informações, clique aqui para acessar o Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde

Da Agência Saúde, com informações do Nucom SVS
Atendimento à imprensa
(61) 3315- 3580 / 2745

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais