Home Como Prevenir Plataforma online auxilia no combate ao coronavírus

Plataforma online auxilia no combate ao coronavírus

por Redação

O projeto EPISaúde reúne conteúdos digitais para o manejo de equipamentos de proteção individual

Os profissionais de saúde estão na linha de frente do combate ao novo coronavírus, auxiliando milhares de pacientes, diariamente, durante a pandemia de COVID-19. No entanto, eles também podem ser infectados pelo novo vírus, em decorrência do uso incorreto dos chamados Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Com o objetivo de ajudar esse grupo de trabalhadores, pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) desenvolveram uma plataforma com orientações sobre o manejo correto desses materiais.

Ana Marcia Guimarães, coordenadora do Departamento de Microbiologia do ICB e uma das criadoras da plataforma, explica que mundialmente, um dos maiores riscos de infecções, por parte dos profissionais de saúdes, está na retirada desses equipamentos.

“Neste momento é natural que os profissionais estejam cansados, dada a rotina de trabalho, e tenham mais dificuldade de manter a atenção devida. Por isso, o treinamento adequado e periódico para o uso, manutenção e descarte correto dos EPIs é primordial”, explica Ana Marcia.

Para facilitar o acesso e a interação com os materiais disponíveis na plataforma, o EPISaúde possui uma página dedicada para cada instrumento como as máscaras, aventais, luvas, óculos de proteção etc.

“Cada item inclui um texto objetivo sobre como utilizar o equipamento, seguido de vídeos ou ilustrações que mostra como colocá-lo e retirá-lo. Além disso, o site tem informações sobre a paramentação e retirada de vestimentas completas de proteção”, destaca Tatiana Ometto, pesquisadora e também responsável pelo projeto.

De acordo com o protocolo da plataforma, o compartilhamento das EPIs, que deveriam ser de uso individual, é um dos erros mais graves. A colocação e o uso inadequado de máscaras, como a máscara N95, também são falhas detectadas. Outra situação importante envolve o posicionamento errado de elásticos e o uso de barba e maquiagem durante o período em que ela está fixada no rosto, além da manipulação frequente da máscara, que prejudicam a vedação e aumentam as chances de infecções.

O manejo das luvas de procedimento, incluindo a retirada inadequada e o manuseio de objetos pessoais, como o telefone celular, também são situações que podem gerar o contágio por COVID-19. A ferramenta também permite que os usuários compartilhem experiências e tirem dúvidas, contribuindo com sugestões para o aperfeiçoamento do serviço. “Com isso, esperamos obter dados em relação ao uso de EPIs pelos profissionais de saúde e assistência em diferentes regiões do Brasil”, finaliza Ana Marcia.

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais