Home Internacional As lições que a China e países da Europa podem dar ao Brasil no combate ao coronavírus

As lições que a China e países da Europa podem dar ao Brasil no combate ao coronavírus

por Redação

Como as medidas tomadas em outros países, como o diagnóstico precoce, podem contribuir para o combate do vírus em território nacional

Em uma pandemia como a de coronavírus, que registra avanços rápidos e numerosos, é preciso adotar medidas eficientes contra a disseminação da doença e seguir recomendações de órgãos de saúde internacionais, como a Organização Mundial da Saúde (OMS). São etapas básicas e que podem evitar que a população de um país como o Brasil não sofra com as dificuldades enfrentadas por outras nações que já foram acometidas pelo vírus.

“O diagnóstico precoce favorece o isolamento de portadores assintomáticos do vírus, diminuindo a explosão no número de casos, permitindo intervenções médicas mais com melhor desfecho”, explica o médico infectologista, Wladimir Queiroz, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), em entrevista ao Por Dentro do Coronavírus.

Queiroz faz um panorama de como o Brasil conduz a pandemia de coronavírus e cita outras medidas que poderiam ser adotadas no país.

“Na minha opinião, em termos gerais, a política de controle da pandemia no Brasil está sendo conduzida de maneira adequada. Se pudesse apontar uma falha seria a incapacidade de realização de testes definitivos numa fração maior da população, que não pode ser realizada por falta de kits para o diagnóstico. Poderíamos tentar seguir o padrão de testagem ampla observado na Coreia do Sul, a qual mostrou eficácia na redução do número de casos”, finaliza o consultor da SBI.

A pandemia na China e na Europa

Wuhan, na China, o epicentro da doença, registrou os primeiros casos ainda em 2019, no fim de dezembro. Com a progressão rápida e contínua no número de registros, medidas que restringiam a livre circulação de pessoas pelas ruas da cidade foram adotadas para impedir que a disseminação do vírus fosse maior. O tráfego aéreo também sofreu interrupções e as forças armadas e a polícia foram convocadas para evitar aglomerações e exposições desnecessárias da população.

Essas medidas não foram adotadas, por exemplo, na Itália, país que ainda vive momentos de tensão com muitas mortes e novos casos. Dados da agência de notícias britânica Reuters apontam que apenas na segunda-feira (23 de março) foram registradas 602 mortes. O número mais alto para um dia foi o de sábado (21 de março), quando 793 pessoas faleceram.

Uma equipe de saúde chinesa se deslocou para a Itália para auxiliar o país no enfrentamento dessa pandemia. Na ocasião, o vice-presidente da Cruz Vermelha chinesa disse que em meio ao caos já instalado no país, “o transporte público continua funcionando, há muitas pessoas pelas ruas e ainda há jantares e festas em hotéis. Além disso, na área mais atingida pelo vírus, as pessoas não usam máscaras”. A afirmação foi feita por Yang Huichuanm, durante entrevista coletiva em Milão, região mais afetada pela doença.

O fato é que adotar medidas como o isolamento social prova que é possível conter o avanço da doença. A China, para efeito de comparação, iniciou a quarentena em Wuhan, dia 23 de janeiro, quando 600 casos da doença haviam sido registrados. A Itália adotou a mesma postura apenas em 8 de março, com mais de 7.300 casos diagnosticados.

Isso demonstra a eficácia de se isolar durante esse período. O Brasil também segue recomendações da OMS e do próprio Ministério da Saúde, que recomenda a permanência das pessoas em suas casas, a exemplo do que foi visto na China. Os governos e prefeituras de diversas cidades seguem apoiando as recomendações do ministério e restringindo a abertura de comércios, lanchonetes, restaurantes e outros serviços não essenciais.

A atenção aos idosos é outro ponto de atenção, já que eles fazem parte do grupo de risco suscetível ao contágio. É necessário ressaltar que, na Itália, a maioria dos casos de mortes é de pessoas acima dos 50 anos e com alguma doença crônica, por isso a necessidade dessas pessoas se isolarem temporariamente. Essa informação foi dita pelo médico italiano Antonio Montegrandi, especialista em doenças infecciosas, e reproduzida em uma matéria do jornal O Globo.

Na contramão da Itália, a Alemanha é um dos países que registra muitos casos, mas sua taxa de mortalidade é uma das menores. Durante entrevista ao jornal alemão ZEIT, Christian Drosten, chefe de virologia do hospital Charité de Berlim e especialista em coronavírus, disse que o país está à frente de outras nações principalmente pelo número de testes realizados para diagnosticar precocemente esses pacientes.

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais