Home Grupos de Risco Entenda a relação entre doenças respiratórias e o coronavírus

Entenda a relação entre doenças respiratórias e o coronavírus

por Redação

Condições como a Asma e a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica merecem cuidados diferenciados

Em meio ao momento de pandemia do coronavírus, portadores de doenças respiratórias podem se questionar sobre a relação entre essas condições e a covid-19, já que uma das principais características do vírus é o acometimento dosistema respiratório. Uma dessas doenças é a asma, condição crônica causada pela inflamação das vias aéreas, cujos principais sintomas ncluem a falta de ar ou dificuldade para respirar; sensação de aperto no peito ou peito pesado; chiado no peito e tosse.

A Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) recomenda que esses pacientes asmáticos realizem o tratamento com os medicamentos preventivos, que incluem os corticoides inalatórios, isolados ou associados a bronco dilatadores. A entidade reitera que os indivíduos com asma grave estão no grupo de risco do coronavírus e, por conta disso, devem aderir ao isolamento social, adotar home office e seguir medidas que evitem a exposição desnecessária. A vacinação contra a gripe e o pneumococo (bactéria que causa doenças que atingem o trato respiratório e o cérebro), também são indicadas pela SBPT.

Outra doença respiratória que merece atenção é a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). Seus sintomas são comuns ao de outras condições, e incluem falta de ar ao realizar esforços, mas que podem progredir para atividades simples como trocar de roupa ou tomar banho, pigarro, tosse crônica e com secreção. O principal fator para o desenvolvimento dessa condição está atrelado ao consumo de cigarros, e à inalação de sua fumaça.

Consultado pelo Por Dentro do Coronavírus, o pneumologista e professor da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) Ciro Kirchenchtejn comenta que pacientes idosos, e com o diagnóstico dessa condição, são os mais prejudicados quando se relaciona as condições que afetam o sistema respiratório e o coronavírus. Isso porque a doença causa inflamação dos brônquios e dificuldades para a passagem do ar, causando perda progressiva da função pulmonar.

“Em um momento como o de uma epidemia da covid-19, as recomendações são que se mantenha a medicação para essa doença, controle o ambiente evitando sujeiras, pó e mofos. Os idosos, e portadores de DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica), são mais vulneráveis ao contágio da doença”, alerta Kirchenchtejn.

Ciro ainda ressalta a importância de parar de fumar, hábito que faz parte do cotidiano de alguns pacientes portadores de DPOC.”O cigarro aumenta a chance de infecções, tornando-as mais graves e permitindo a entrada do vírus e outras bactérias que podem piorar o quadro clínico do paciente”, acrescenta o médico pneumologista.

O médico inclui medidas simples e que são reforçadas diariamente pelo Ministério da Saúde, como o isolamento. A continuidade dos medicamentos para o controle da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica e de outras condições como diabetes, e hipertensão, também devem ser mantidos.

“Os medicamentos de controle para a DPOC e outras doenças crônicas devem continuar fazendo parte da rotina desses pacientes. Vale ressaltar a necessidade de se manter a higienização adequada, o uso de álcool em gel, e o principal: o isolamento”, conclui Ciro.

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais