Home Informações do Governo População pode participar com sugestões para atualização do protocolo de Miastenia Gravis

População pode participar com sugestões para atualização do protocolo de Miastenia Gravis

por Ministério da Saúde

CONSULTA PÚBLICA

Doença impede a comunicação entre nervos e músculos. Não tem cura, mas existe tratamento. A consulta está aberta também para profissionais de saúde, pesquisadores e outros interessados 

Uma consulta pública para atualização do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) da doença Miastenia Gravis está aberta, com o objetivo de receber contribuições de toda a sociedade interessada no tema. A doença é rara e ainda sem cura. Autoimune, a Miastenia Gravis é considerada crônica, caracterizada pela falta de comunicação entre nervos e músculos, causando fraqueza e fadiga incomuns. Para participar da consulta, profissionais de saúde, pesquisadores, familiares de pacientes acometidos pela doença e demais interessados podem enviar sugestões, através de formulário, por meio de relatos de experiências ou conteúdo científico. A consulta fica aberta até o dia 10 de agosto.

A avaliação inicial da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) contempla o diagnóstico e o tratamento da miastenia gravis, bem como da crise miastênica – disfunção respiratória que exige ventilação mecânica, considerada uma complicação potencialmente fatal – e de outros casos especiais relacionados à doença. Uma nota ainda será produzida pela Conitec para avaliar a incorporação do exame que colabora para o diagnóstico da doença, cujas causas ainda são desconhecidas

Existem duas formas de miastenia: a autoimune ou adquirida e a congênita. Na autoimune, a resposta imunológica se volta contra os componentes da placa motora responsável pela transmissão do estímulo nervoso que faz o músculo contrair. Como resultado, as fibras musculares afetadas acabam se atrofiando ou se degenerando, causando dificuldades para realizar movimentos como abrir e fechar os olhos, falar, mastigar, engolir, mover a cabeça, pegar, andar. No caso da congênita, os anticorpos produzidos pela mãe passam pela placenta e atingem o feto.

Os sintomas são: fadiga extrema; fraqueza muscular; dificuldade para mastigar e engolir; falta de ar; voz anasalada; pálpebras caídas (ptose palpebral); visão dupla (diplopia).

Ainda não há cura para a miastenia gravis, mas existem medicamentos que auxiliam no tratamento, como cortiscosteroides e os imunossupressores. Além disso, a plasmaferese (troca de plasma) tem-se mostrado útil em alguns casos, mas apresenta o inconveniente de produzir efeitos de curta duração.

Por Vanessa Aquino, da Agência Saúde, com informações da Conitec
Atendimento à imprensa
(61) 3315-2535/2351

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia Mais